Projetos

A ACREDITAÇÃO PEDAGÓGICA DOS CURSOS LATO SENSU EM SAÚDE PÚBLICA
Este é um projeto que se concretiza em concomitância com o da Formação em Saúde Pública. Juntos, eles trabalham duas antigas demandas das Escolas da Rede: a acreditação pedagógica e a nova formação de sanitaristas. O objetivo geral da acreditação é melhorar a qualidade da oferta dos cursos lato sensu em Saúde Pública no Brasil, por meio de um processo de avaliação interna e externa e uma pactuação entre os atores envolvidos no gerenciamento coletivo da qualidade. Esse processo é fruto de uma cooperação entre a Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) e a francesa École dês Hautes Études en Santé Publique (EHESP).
 
 
A FORMAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA
O projeto Formação em Saúde Pública está diretamente ligado ao da Acreditação Pedagógica e é uma ação coordenada pela RedEscola por meio de um termo de cooperação entre a Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES/MS) e da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz). Seu objetivo central é oferecer cursos de especialização em Saúde Pública em diversos estados brasileiros, contribuindo para que as práticas e a organização do trabalho em saúde estejam alinhadas com os princípios e diretrizes do SUS, a partir das necessidades e da realidade do sistema. Entre 2016 e 2017, cerca de 600 especialistas serão formados pelo projeto em dez instituições que integram a RedEscola, e a ideia é que essas instituições possam iniciar um novo ciclo de formação de sanitaristas no Brasil.
 
 
A POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: ANÁLISE DOS FATORES CONDICIONANTES À SUA IMPLEMENTAÇÃO EM DIÁLOGO COM AS EXPERIÊNCIAS DAS ESCOLAS DE SAÚDE PÚBLICA
A pesquisa A Política Nacional de Educação Permanente em Saúde vivenciada nas Escolas de Saúde Pública: contribuições para reflexão a partir da prática analisou a implementação dessa política do SUS a partir da experiência de cinco Escolas de Saúde Pública integrantes da RedEscola. Os resultados da pesquisa serão organizados em artigos científicos construídos coletivamente. Além disso, está prevista a criação de um observatório de Educação Permanente em Saúde (EPS). A repercussão do projeto na Rede tem sido muito positiva e hoje existe a intenção de ampliar a discussão sobre EPS nas Escolas que não participaram da pesquisa.
 
 
COAP
O projeto Apropriação do Contrato Organizativo de Ação Pública de Saúde (COAP) no nível local: estratégias pedagógicas para um novo planejamento no SUS promoveu o debate sobre aspectos que conformam o COAP, com a finalidade de traçar estratégias que possibilitassem uma ação pedagógica concertada entre a RedEscola e os trabalhadores da saúde. Entre seus objetivos específicos, estavam: identificar e conhecer as condições de implantação do COAP; identificar conteúdos e traçar estratégias para o envolvimento da Rede no processo de formação; apoiar a Rede no papel de fortalecimento das Escolas.
 
 
CONHECER PARA COMPARTILHAR
O projeto Conhecer para Compartilhar nasceu com o objetivo de criar uma cultura de compartilhamento que fortaleça a RedEscola e as instituições que dela fazem parte. A ideia é fazê-lo a partir de um sistema de informação para a gestão que já começou a ser implementado. A Secretaria Técnica Executiva da Rede elaborou um questionário para conhecer melhor as Escolas em diversos aspectos – como sua estrutura física, seu corpo docente, a existência de Planos de Desenvolvimento Institucional, a elaboração de documentos como Projetos Político Pedagógicos e Regimentos internos, a produção científica, o número de estudantes formados e as estruturas de comunicação. Quase 70% das Escolas responderam e os resultados preliminares foram apresentados no Encontro Nacional 2015.
 
 
PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS ESCOLAS DE SAÚDE PÚBLICA BRASILEIRAS PARA ATUAÇÃO NA DOCÊNCIA DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE
O Programa de Qualificação das Escolas de Saúde Pública Brasileiras para Atuação na Docência de Vigilância da Saúde teve como objetivo central oferecer às Escolas da Rede condições para atuar na formação nessa área, contribuindo com o Sistema Nacional de Vigilância em Saúde. Fruto de uma parceria entre a Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS/MS) e a ENSP, ele foi inovador no sentido de favorecer uma articulação entre vigilância, pesquisa e educação.
O projeto alcançou 40 instituições parceiras nas cinco regiões do país e se estruturou em três componentes: formação docente; desenvolvimento da área de Tecnologia de Comunicação e Informação; e gestão da Rede e dos eventos didáticos. O projeto deu origem a uma série de ações e eventos apoiados pela SVS, entre os quais se destaca a oficina Vigilância em Saúde e a atuação em rede, realizada em julho de 2015 e coordenada pela Vice-Direção de Escola de Governo em Saúde (VDEGS/ENSP) e pela Secretaria Técnica Executiva da RedEscola. Foi a primeira vez que uma oficina abordou o tema da Vigilância tendo o espaço das redes como lócus concreto de atuação. Uma compilação dos principais debates realizados durante o evento está em fase de finalização e será publicada pela RedEscola.
 
 
PROJETO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL
O principal objetivo do Projeto de Desenvolvimento Institucional foi contribuir para a reflexão crítica das práticas de governança das Escolas. Nesse sentido, elas tiveram acesso a qualificação nas áreas de comunicação e gestão escolar por meio de um curso semipresencial de Aperfeiçoamento, gestão dialógica e comunicação para a gestão escolar. Foram promovidos três momentos presenciais com duração de uma semana cada; além disso, houve 120 horas/aula a distância, realizadas com o apoio da plataforma de Educação a Distância (EaD) da ENSP. O curso, direcionado aos profissionais de comunicação e gestão das Escolas, foi estruturado em três unidades de aprendizagem: a) Uma Escola possível? Primeiros consensos; b) Enredamento: pessoas, processos e contexto; e c) Construindo uma nova governança.
 
 
O projeto Qualidade na Assistência à Saúde, com inclusão – em busca de um agir comunicativo para a melhoria da gestão tem o objetivo de elaborar estratégias para o desenvolvimento de uma cultura de qualidade da assistência à saúde, por meio de ações educativas no âmbito das Escolas, integrando e articulando os campos da Educação, da Comunicação e da Gestão. Construído em parceria com a Secretaria de Assistência à Saúde (SAS/MS), tem como objetivos específicos mapear concepções sobre qualidade da assistência e inclusão, desenvolver a capacidade das Escolas em metodologias inovadoras de construção coletiva e apoiar a criação de Núcleos de Educação Permanente nas Escolas.
 
 
QUALIFICAÇÃO DE AUDITORIAS E OUVIDORIAS: FORTALECIMENTO DE ÁREAS ESTRATÉGICAS DO SUS (DOGES/DENASUS)
A Qualificação Nacional das Auditorias e Ouvidorias do SUS foi um projeto de formação construído em parceria com a Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa (SGEP/MS). A iniciativa foi concebida de acordo com as premissas da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde e foi a primeira a promover um diálogo entre auditores e ouvidores do SUS. O curso formou 1.023 pessoas nos 27 estados brasileiros e seu objetivo central residia em desenvolver as práticas profissionais e as organizações do trabalho, alinhando-as com os princípios e diretrizes do SUS, de modo a fortalecer as auditorias e ouvidorias do Sistema. Especialistas nessas áreas em várias regiões do país contribuíram para a construção do curso, trabalhando em conjunto desde a concepção do material pedagógico até a execução e avaliação da formação.
 
 
REGESUS - INOVAÇÕES NA EDUCAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA COM DIÁLOGO E PARCERIA
O projeto REGESUS - Inovações na Educação em Saúde Pública com Diálogo e Parceria está na origem da RedEscola. Realizado por meio de um convênio entre a Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde do Ministério da Saúde e a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca da Fundação Oswaldo Cruz, ele nasceu da necessidade de fortalecer o ensino da saúde pública e com o objetivo de fortalecer as escolas, com ênfase nas estratégias de formação para o SUS, nos mecanismos de gestão do ensino, na gestão do conhecimento e na incorporação de novas tecnologias de gestão e educação. A pesquisa se tornou um estudo bastante aprofundado dessas Escolas, e investigou: os perfis das instituições e gestores; a estrutura, o planejamento, a organização e a gestão; a organização do ensino; o perfil dos profissionais; e a oferta e demanda. Os resultados foram publicados em 2008 e indicaram três grandes campos de desdobramentos necessários para o fortalecimento da Rede: o desenvolvimento de mecanismos de atração, capacitação e fixação de docentes nas Escolas; o desenvolvimento da comunicação e da informação aplicadas à educação na saúde; e o desenvolvimento de ações educativas e de caráter gerencial que favorecessem a profissionalização da gestão das Escolas e ampliassem sua capacidade de interlocução com atores estratégicos e com a sociedade em geral.